Disco do Morrissey já tem título e sai no meio do ano

morrissey

Cantor volta a ter um contrato com uma grande gravadora

O novo álbum do cantor Morrissey se chama “World Peace Is None of Your Business” e vai ser lançado entre o final de junho e o início de julho. São 12 faixas inéditas produzidas por Joe Chiccarelli (Strokes), em um estúdio na França, onde Morrissey e banda começaram o trabalho em janeiro. Acompanham o cantor a mesma turma que o escolta já há bastante tempo: Boz Boorer e Jesse Tobias (guitarras), Solomon Walker (baixo), Matthew Walker (bateria) e Gustavo Manzur (teclados). O disco é o primeiro a ser lançado no contrato assinado entre Morrissey em um sub selo da Universal americana, depois de anos exilado de gravadoras. O disco mais recente de Morrissey é “Years Of Refusal”, de 2009.

RESENHA:

Morrissey já gravou mais que o dobro de álbuns como artista solo do que com os Smiths, mas qual deles é mais relevante que um “Meat Is Murder” ou um “The Queen Is Dead”? A pergunta perde o sentido porque, solo, Morrissey faz valer a máxima de que o que vale é a regularidade, e assim fica difícil apontar, entre os oito discos anteriores, algum abaixo da crítica. O cantor – agora cinquentão – não perde a vibe de compositor e de intérprete dos bons, sempre fazendo o rock simples e cativante que o projetou em sua banda de origem.

É evidente que, neste “Years Of Refusal” é a voz e o jeito de cantar que sobressai, como de hábito, mas não há como não dar importância à composições singelas como a bela “I’m Throwing My Arms Around Paris”. A música mostra como Morrissey circula muito bem em andamentos mais cadenciados ou baladas que nunca se concretizam como tal. Outra é a lenta “You Were Good In your Time”, encerrada por um enigmático diálogo, que pode agradar aos mais “sensíveis”.

Mas, à exemplo da excepcional “Boy Racer”, do álbum “Southpaw Grammar”, lançado há 14 anos, há porradas certeiras. Caso da dramática (já no título) “One Day Goodbye Will Be Farewell”, conduzida por uma bateria nervosa, ou ainda de “Sorry Doesn’t Help”, na qual Moz chega reproduzir um diálogo que explica o porquê de suas letras serem consideradas cinematográficas. Não chega a tanto, mas pequenos episódios sem conexão entre eles baseados em suas letras não ficariam atrás do clássico “A Vida Como Ela é…”, de Nelson Rodrigues. “I’m OK By Myself”, completa a tríade, além de encerrar o disco em alto astral como o título sugere.

Relacionamentos obtusos e não resolvidos continuam sendo a tônica. Só Morrissey intitularia uma música com “All You Need Is Me”, verdadeira declaração de auto convencimento. Ou ainda reconheceria que “estava perdendo o tempo em busca do amor”, como faz na charmosa “That’s How People Grow Up”, uma das melhores do CD. Solitário convicto, ele vive em busca do que tem a certeza de que nunca encontrará, mas jamais desiste; eis a razão de sua existência. E não pense que é recurso literário o uso de letras escritas em primeiríssima pessoa. A maternidade subliminar mostrada na capa aparece também em “Mama Lay Softly On The Riverbed”, um dos temas preferidos do cantor.

A participação de Jeff Beck na boa “Black Cloud” passa despercebida, e de novidade em termos de arranjos há o uso de trompete, que sobressai particularmente na hispânica “When Last I Spoke to Carol”, a “mais diferente” do repertório. Morrissey consegue, por fim, atingir a si próprio, num disco em que não é a apenas a marcante voz que o torna reconhecível a quilômetros de distância, mas toda a coleção de temas íntimos (e ao mesmo tempo universais) que tingem uma trajetória com um singular bom gosto.

Fonte:http://www.rockemgeral.com.br/2014/03/07/disco-do-morrissey-ja-tem-titulo-e-sai-no-meio-do-ano/

Anúncios