Renato Russo Do inferno ao céu

Na semana em que o roqueiro faria 40 anos, amigos contam quando e com quem ele contraiu Aids e a família relata a história de Giuliano, o filho que chegou a ser noticiado como adotado

rep_russo8

 

“Ele disse que era homossexual aos 18 anos. ‘

O que faço?’, pensei. Mas disse:

‘Está bem, mas só não me traga homem para dentro de casa’.’’

Maria do Carmo Manfredini

Foi inspirado em Léo que Russo criou “Eduardo e Mônica”, seu primeiro grande sucesso. “Chegamos a brigar por telefone porque ele queria parar de tomar os remédios que o mantinham vivo”, conta ela, artista plástica, 41 anos. Léo morava no Equador e fez as pazes com Russo um dia antes de sua morte. Ele lhe telefonara para ler a letra de “Uma Outra Estação”, que havia composto para a amiga – à época, ela morava perto dos vulcões citados na música. No dia seguinte, Léo voltou a ligar. Só o ouviu na gravação da secretária eletrônica. Renato Russo tinha morrido. A notícia foi dada a ela pelo ex-marido, o jornalista Geraldinho Vieira, também amigo de Russo.

Outro amigo, o empresário musical Luiz Fernando Borges, lembra que, no início de 1996, Renato fez uma despedida. Tomou um “porre homérico”, bebendo cinco dias sem parar. Logo depois, passou a tomar o coquetel anti-HIV. Borges nunca ouviu Renato dizer que tinha medo da morte, mas se irritava com os medicamentos. “Ele tinha muitas dores no estômago e enjôos”, recorda. Até hoje, ele vai ao apartamento do amigo. “O quarto dele está igualzinho. Os móveis, os quadros, está tudo lá.” Parte disso deve ser transferido para o memorial do cantor que será construído em Brasília. Borges teve autorização para fazer um documentário sobre Russo.

O FILHO Um mês antes de completar 29 anos, no Rio de Janeiro, Russo telefonou para a mãe em Brasília e fez suspense sobre uma novidade. Ela achou que era sua mudança para a Inglaterra. Russo tinha o sonho de gravar um disco lá. A surpresa veio a ser revelada na data do nascimento de seu filho, na noite de 29 de março de 1989. Da maternidade, ele ligou: “É menino, mãe!” Giuliano ganhou nome de santo, como prometera na música “Pais e Filhos”.
Quando Russo morreu, aos 36 anos, foi noticiado que o filho era adotivo. A família reafirma a história contada por ele, de que tivera uma relação fugaz com Rafaela Bueno, uma fã carioca. Os pais da moça não apoiaram a gravidez. Na primeira semana de vida, Giuliano foi para as mãos da tia de Russo, Maria do Socorro de Oliveira, que morava na Ilha do Governador, na zona norte do Rio. Rafaela morreu num acidente um ano depois. Na mesma época, o artista mudou-se da Ilha – onde morou com os avós, a tia e Giuliano – e quis criar o menino em seu novo apartamento, em Ipanema. Os pais o convenceram a dar a guarda de Giuliano. Com 11 anos, ele mora com os avós em Brasília, os quais considera seus pais.

rep_russo6SEQÜESTRO Os pais de Russo não permitem que o menino seja fotografado. A proteção foi redobrada, a conselho da polícia, quatro meses após a morte de Russo. No apartamento do Bloco B da Superquadra Sul 303 do Plano Piloto, em Brasília, onde Giuliano morava desde o segundo ano de vida, Carminha recebeu uma denúncia anônima por telefone. A pessoa disse que Giuliano, então com 7 anos, seria vítima de um seqüestro. Assustada, ela correu ao Centro Educacional Maria Auxiliadora, onde o neto estudava, a um quilômetro de sua residência. O avô acionou o grupo anti-seqüestro da Polícia Militar. A polícia detectou pistas sobre um plano de seqüestro e descobriu que pessoas estranhas chegaram a acompanhar os passos de Giuliano. A família mudou de endereço.

Renato Russo adorava crianças. A família argumenta que, por isso, especulou-se que Giuliano seria filho adotivo. Na mesma época de seu nascimento, a tia de Russo levou para a casa da Ilha do Governador um bebê de nome Thaísa. “Ela era o xodó dele”, lembra sua mãe. Um dos segredos que o músico compartilhava com a mãe era o desejo de comprar uma casa e enchê-la de crianças órfãs. Meses após sua morte, a família descobriu atos generosos. Seus pais foram procurados por um jovem paraplégico desesperado com a morte do compositor. Relatou que desde que perdera o emprego, recebia ajuda financeira do roqueiro para manter seu tratamento. “Passeávamos em Nova York em 1989 quando Renato tirou do bolso um bolo de dinheiro para dar a um rapaz sentado na calçada, que segurava o cartaz: ‘Sou soropositivo’”, conta Léo. Isso aconteceu antes de saber que era soropositivo. A generosidade de Russo era unânime entre os amigos. A atriz Denise Bandeira, que foi sua namorada antes de ele definir-se pela homossexualidade, lembra que dar presente aos amigos era compromisso sério. “Antes de um aniversário, ele fazia uma pesquisa minuciosa sobre o presente mais adequado. Na dúvida, comprava vários”, conta. Para Denise, sua capacidade de ir de um extremo a outro era incrível: “Ele podia se atirar ao chão num show para 10 mil pessoas e depois, em casa, mergulhar concentrado em sonetos de Shakespeare”.

Formado em Jornalismo, aos quatro anos ganhou o primeiro disco, dos Beatles. “Ele se trancava no quarto, colocava som alto, e eu, no quarto ao lado, aprendi tudo de rock com ele”, lembra a única irmã, Carmem Teresa. Ela canta spiritual, blues e jazz, no grupo brasiliense Spirituals de Porco. Três anos mais nova, não escapava das rédeas dele. “Ele era totalmente reacionário e protetor, coisas de irmão mais velho”, recorda. A ausência do irmão dói. “Não há um dia que não ouço alguma coisa na rua, uma música, ou vejo um filme, que não tenha vontade de falar com ele.”

rep_russo1 Bonfá lança CD, Dado produz discos e Rocha deixou a música profissionalmente. O relacionamento era difícil”, diz Arthur Dapieve, que escreve sua biografia

rep_russo12

 

 O ícone Renato Russo tinha um relacionamento difícil com os pais: Dona Carminha só soube que o filho tinha Aids pela TV

O cantor e compositor Renato Russo sempre surpreendeu. Aos 18 anos, fez a mãe empalidecer ao revelar que era homossexual. “Mãe, não vou casar com a Ana Paula, porque acho os homens interessantes”, admitiu ele, referindo-se à então namorada, uma fotógrafa, filha de um almirante. “Meu chão foi lá embaixo”, lembra hoje a professora aposentada Maria do Carmo Manfredini, 62 anos. “Parei um minuto para rezar: Meus Deus, o que faço agora?” Dona Carminha, como é conhecida, então respondeu a Russo, angustiado com o silêncio da mãe: “Está bem, filho, mas só não me traga homem para dentro de casa”.

Renato Russo surpreendeu os pais, amigos, fãs e a música brasileira não apenas enquanto viveu. Morto há três anos e meio, o líder da banda Legião Urbana permanece aclamado como mito do rock nacional. Na segunda-feira 27, faria 40 anos. Mesmo sem existir mais, a Legião é o grupo de rock que mais vende discos. Este mês, seu CD Acústico MTV, lançado em outubro de 1999, com um milhão de cópias, está em segundo lugar entre os mais vendidos – perde para Sandy & Júnior, em São Paulo, e Roberto Carlos, no Rio. De 1995 até agora, a Legião vendeu 10,2 milhões de cópias e os três discos-solo de Russo, 2 milhões. Renato Russo ferve em 140 sites da internet sobre a Legião.“Garotos de 13 anos o estão conhecendo e virando fãs fervorosos”, diz Simone Assad, jornalista e fã que coordenou, de Nova Friburgo, no interior do Estado do Rio, a edição do livro Renato Russo de A a Z, lançado em janeiro pela Editora Letra Livre, um dicionário com frases do cantor, com 453 verbetes. O jornalista carioca Arthur Dapieve prepara para setembro uma biografia. Seus pais, o funcionário aposentado do Banco do Brasil Renato Manfredini, 75 anos, e Maria do Carmo, lançarão um livro com os rascunhos de quando o filho compunha.

Boa parte dos manuscritos continuarão inéditos, se depender do casal Manfredini, responsável pelo espólio do filho. No apartamento do artista em Ipanema, no Rio, os pais guardam pequenas peças de teatro e letras inéditas. Os diários que escreveu até o fim da vida, em inglês, são intocados. “Enquanto vivermos e tivermos controle sobre as coisas de Júnior (Russo era Renato Manfredini Júnior), ninguém mexe nos diários”, diz a mãe. O casal prevê problemas com a biografia escrita por Dapieve.

“Não autorizaremos que o livro trate de coisas íntimas da vida de Júnior”, avisa Carminha. Dapieve acredita que superará a resistência dos pais. Segundo o jornalista, a carência de Russo levou-o a se entregar ao álcool e às drogas. “Ele tomava Cointreau em copo de requeijão em um só gole”, conta

rep_russo2

 

“Quando namorava um rapaz chamado Lui, tentou suicídio para chamar a atenção dele.” Nos últimos meses de vida, Renato desistiu de tomar AZT. Uma amiga, que prefere não se identificar, acrescenta que, um mês antes de morrer, o roqueiro pedia a presença do pai:

“Ele queria provas do amor do pai e de que ele o aceitava como gay e alcoólatra.”

Renato Manfredini mudou-se para o Rio ao saber da doença, dois meses antes de perder o filho. “O Júnior carregava o mundo nas costas”, diz ele. Não contou à mulher o que o próprio filho não ousara revelar à mãe. Ela soube pela tevê que o filho tinha Aids, horas depois da morte de Renato Russo, em 11 de outubro de 1996. “À noite, ouvi na tevê: ‘Morreu hoje de Aids o cantor Renato Russo’. Foi um choque.

De manhã, declarei que meu filho tinha morrido de anorexia nervosa.” O respeito dos pais por sua opção sexual aproximou-o mais da família. Em 1988, ele assumiu publicamente a homossexualidade. A mãe não queria. “É para lutar contra o preconceito que vou fazer isso, mãe”, disse ele.

DEPRESSÃO No último mês de vida, Russo praticamente não comia. Só bebia água de coco. Saul Bteshe, 50 anos, seu médico por oito anos, conta que, nos primeiros meses após descobrir a doença, o artista reagiu com otimismo. “Perto de sua morte, caiu em depressão”, conta o médico, que tratava do cantor antes de ele ser infectado. Quando o cantor foi a seu consultório pela primeira vez, Bteshe desconhecia a Legião. “Ele perguntou se eu não o estava reconhecendo”, lembra Bteshe, que o acompanhou em shows na fase avançada da doença.

Russo soube que tinha Aids depois de ter namorado Robert Scott Hickmon, que o roqueiro conheceu em Nova York, em novembro de 1989. Morador de San Francisco, Scott era gay e tinha um namorado vítima da Aids. Russo e Scott viveram juntos alguns meses no Brasil, antes de o americano voltar para os Estados Unidos, no final de julho de 1990, quando usaram heroína juntos. “Foi fogo. O namorado do Scott estava em estado terminal de Aids e mesmo assim o Renato se envolveu com ele”, diz a amiga Leonice de Araújo Coimbra, a Léo, que estava com Russo em Nova York, em novembro de 1989, quando o romance começou. Em 1990, ela recebeu o músico em sua casa, em Brasília, que segurava o resultado de um exame. Chorando, abraçou forte a amiga e desabafou: “Sou HIV positivo”. Léo afirma: “Renato tinha certeza que pegou Aids do Scott. Ele foi embora e ninguém soube mais dele”. Russo nunca assumiu a Aids publicamente. Em 1992, perguntado por um jornalista, disse: “Não estou com Aids, que pergunta idiota”.

Fonte:http://www.terra.com.br/istoegente/34/reportagens/rep_renato.htm

Anúncios

HIM: banda chega ao Brasil esta semana, e ainda há ingressos

E o Love Metal vai invadir São Paulo! A banda finlandesa HIM, uma das atrações mais aguardadas a desembarcar no Brasil nos últimos tempos, finalmente vai estrear no país, após 22 gloriosos anos de carreira.

Ville Valo (vocal), Mikko Lindström (guitarra), Mikko Paananen (baixo), Mika Karppinen aka Gas Lipstick (bateria) e Janne Puurtinen (teclado), fazem única apresentação, neste domingo (30/03), pontualmente às 21h30, no HSBC Brasil. Esta é mais uma realização da Rádio & TV Corsário, produtora que também está trazendo o Megadeth (04/05/14 – Espaço das Américas – São Paulo).

Os fãs interessados em conferir esta performance histórica na capital paulistana ainda podem garantir presença. Apesar de vários setores estarem esgotados há muito tempo, ainda restam ingressos de pista. Um novo lote foi aberto nos últimos dias. Mais informações no serviço abaixo.

Neste momento, o HIM está em plena turnê promocional do bem-sucedido álbum “Tears on Tape” (Universal Music), possuem uma extraordinária carreira com milhões de discos vendidos em todo Mundo.

Com uma lista de hits absolutos como “For You”, “Your Sweet Six Six Six”, “Wicked Game” (cover de Chris Isaak), “The Heartless”, “When Love and Death Embrace”, “(Don’t Fear) The Reaper” (cover de Blue Öyster Cult), “Poison Girl”, “Join Me in Death”, “Right Here in My Arms”, “Buried Alive By Love” e “The Funeral of Hearts”, e uma série de álbuns que se tornaram clássicos – como “Greatest Love Songs Vol. 666” (1997), “Razorblade Romance” (1999), “Love Metal” (2003) e “Venus Doom” (2007), o Love Metal do grupo se estabeleceu como um fenômeno global.

A tão aguardada excursão pela América Latina consiste, por enquanto, nas seguintes datas:
30/03/2014 – HSBC Brasil – São Paulo, Brasil
01/04/2014 – Teatro Caupolican – Santiago, Chile
03/04/2014 – Teatro Flores – Buenos Aires, Argentina
04/04/2014 – Teatro Flores – Buenos Aires, Argentina
Show no México será anunciado nas próximas horas.

Links relacionados:
http://www.heartagram.com
https://www.facebook.com/theheartagram
http://www.radiocorsario.com.br
http://www.hsbcbrasil.com.br
http://www.theultimatemusic.com

Serviço São Paulo
Rádio & TV Corsário orgulhosamente apresenta HIM no Brasil
Dia: 30 de março de 2013, domingo
Horário: 21h30 (showtime)
Abertura da casa: 20h
Local: HSBC Brasil
End: Rua Bragança Paulista, 1281 – Chácara Santo Antônio

Informações e compra de ingressos:
# BILHETERIAS HSBC BRASIL – Rua Bragança Paulista, 1281 / Chácara Santo Antônio.
(Horário de atendimento até o dia 23/12: segunda a sábado, das 10h às 21h e domingos e feriados, das 10h às 20h)

# COMPRA POR TELEFONE – Ingresso Rápido – Tel: 4003-1212
(Horário de atendimento: segunda a sábado, das 9h às 22h)
(Formas de Pagamento: cartões de crédito Visa, Mastercard, Credicard, Diners);

# COMPRA PELA INTERNET
(www.hsbcbrasil.com.br / http://www.ingressorapido.com.br)
(Formas de Pagamento: cartões de crédito Visa, Mastercard, Credicard, Diners);

# PONTOS DE VENDA CAPITAL, INTERIOR E OUTROS ESTADOS
Consultar http://www.ingressorapido.com.br

Taxa de Compra através da Ingresso Rápido
Compra em ponto-de-venda: 15% do valor do ingresso
Entrega em domicílio Grande São Paulo: R$ 15,00
Entrega em domicílio São Paulo Capital: R$ 10,00
Retirada na bilheteria: R$ 5,00

Para a compra de ingressos para estudantes, aposentados e professores estaduais, os mesmos devem comparecer pessoalmente portando documento na bilheteria respectiva ao show ou nos pontos de venda da Ingresso Rápido. Esclarecemos que a venda de meia-entrada é direta, pessoal e intransferível e está condicionada ao comparecimento do titular da carteira estudantil no ato da compra e no dia do espetáculo, munido de documento que comprove condição prevista em lei.

BILHETERIA

Camarote: ESGOTADO
Frisa: ESGOTADO
Cadeira Alta: ESGOTADO
Pista Vip: ESGOTADO
Pista 3° Lote: R$ 240,00 (NITEIRA) | R$ 120,00 (MEIA)

Capacidade: 4000 lugares
Censura: 14 anos (desacompanhados). Menores dessa idade somente acompanhados dos pais ou responsáveis.
Duração: Aproximadamente 1h30
Abertura da Casa: 2h antes do espetáculo
Estacionamento: Hot Valet (com manobrista)
Aceitamos dinheiro e cartões de débito e crédito (Visa, Mastercard, Credicard e Diners)
Não aceitamos cheques
Acesso para deficientes físicos
Ar condicionado

1395697395

Fonte: The Ultimate Music – PR

Paulo Schroeber: nota oficial sobre falecimento do guitarrista

Após vários dias internado para tratamento do coração na UTI do Hospital Nossa Senhora Medianeira (Hospital do Círculo), em Caxias do Sul – RS, PAULO SCHROEBER, um dos guitarristas mais talentosos do Brasil, não resistiu e faleceu nesta segunda-feira (24/03). O procedimento de reconfiguração do aparelho cardíaco [uma espécie de marcapasso] não surtiu efeito e o músico precisava urgentemente de um transplante. O quadro se agravou devido a ter se formado água em seus pulmões em razão do crescimento do coração, que pressionava este órgão, o que o deixava com dificuldades para respirar. “Em nome da Island Press agradeço o imenso carinho, admiração e respeito dos fãs e amigos ao Paulo, principalmente nas redes sociais. Torcemos e oramos muito pela sua vida. Em homenagem ao músico, iremos manter PAULO SCHROEBER no cast, afim de que jamais sua arte seja esquecida pelo público. (Rômel Santos)”   1395697973

Fonte: Island Press

Gwar: morre o vocalista Oderus Urungus aos 50 anos

De acordo com o Style Weekly, Dave Brockie, mais conhecido como Oderus Urungus, o fundador e vocalista da conhecida banda GWAR morreu. Companheiros de quarto acharam o corpo de Brockie na manhã de domingo (23 de março). “Eu queria que fosse piada”. Disse o ex-baixista do GWAR, Chris Bopst. “Todos estão em choque.” Brockie tinha 50 anos.

1395661128

“Dave era um dos cara mais engraçados, espertos, mais criativos e energéticos que eu jamais conheci.” Disse o ex-baixista Mike Bishop ao Style Weekly. “Ele era impertinente às vezes, sempre irreverente, grosseiro, ele era hilário em todas as formas. Mas ele também era altamente inteligente e interessado na vida, política e arte. Sua inclinação por esse escatológico humor trazia também uma clara inteligência. Ele era um compositor muito subestimando e um vocalista de hard rock, um dos melhores de todos os tempos! Um grande frontman, um grande pintor, escritor. Ele era também o ótimo baixista. Eu o amava. Ele era capaz de grande empatia e de um real senso de justiça.”

O vocalista Randy Blythe da banda LAMB OF GOD, que fez turnês com o GWAR em 2009, escreveu no Instagram: “Recebi uma ligação muito triste do meu amigo Chris Bopst, que era um dos membros originais do GWAR. Meu amigo Dave Brockie, Também conhecido como Oderus Urungus, vocalista do GWAR, deixou o prédio e foi para seu planeta natal. Ele tinha 50 anos.”

“Eu ainda não sei detalhes de como ele morreu, só que faleceu em sua casa e seus amigos o encontraram.”

“Quando alguém morre, muitas das vezes as pessoas falam: ‘Ah, ele era um cara único, realmente ímpar, verdadeiramente original.’ A maioria dessas pessoas não tem ideia do que estão falando, eles obviamente nunca conheceram Dave.”

“Dave era verdadeiramente único. Eu não acho que qualquer um seja remotamente parecido com ele. Isso é bem difícil de se dizer.”

“Minha banda aprendeu a como se tornar uma verdadeira banda de turnês com o GWAR. Eles nos deram nossa primeira chance nesse negócio.”

“Eu aprendi muitas coisas com Dave, muitas das quais serei eternamente grato e algumas delas me envergonham profundamente.”

“Eu tirei essa foto em sua festa de aniversário, há poucos meses atrás – Dave beijando um bolo de Oderus Urungus.”

“Agora, se eu quero realmente honrar Dave, da forma que ele faria se fosse eu do outro lado, eu faria uma piada de completo mau gosto sobre sua morte, mas eu não tenho o estômago para isso – Dave teria, mas não eu. Ele nunca colocou muito valor em ‘limites’.”

“Richmond perdeu uma de suas pessoas mais criativas.”

“isso é uma grande pena para mim.”

“Obrigado, Brockie, por todas as coisas loucas que você fez. Obrigado que você existiu, para que você pudesse ter feito isso e não eu. Foi uma honra conhece-lo, ser seu lacaio acorrentado, para me servir no vômito ao seu lado (Vamos em frente!), e para ficar ensopado com seu doce cuttlefish [o gigantesco pênis de Oderus Urungus].”

“RIP Dave Brockie. Oderus, aproveite a viagem para casa.”

O vocalista Tony Foresta, da banda MUNICIPAL WASTE, que fez turnês com o GWA em 2012 também escreveu no Instagram: “Eu estou devastado agora. Uma das pessoas mais divertidas, brilhantes, de inspiração e criativas que eu já conheci e tive o privilégio de chamar de amigo, faleceu. Vou sentir muitas saudades, amigo.”

Des Fafara (DEVILDRIVER, COAL CHAMBER) “Descanse em paz, meu amigo.”

EMMURE: “Nós estamos profundamente entristecidos com as notícias de que nosso amigo e camarada faleceu. Dave era um indivíduo admirável contra nós. Ele falou muito bem do EMMURE e se nos conhecia ou não, nós éramos bem passionais sobre ele também. Descanse em paz, Oderus Urungus. GWAR para sempre.”

Bem Orum (ex-ALL SHALL PERISH): “Dave, você era um gênio criativo. Obrigado para trazer tanta alegria para mim e meus amigos enquanto crescíamos com o GWAR. RIP.”

De acordo com o TheMusic.com.au, os agentes do GWAR vai lançar um pronunciamento sobre a morte de Brockie ainda hoje.

O último álbum do grupo, “Battle Maximus”, vendeu cerca de 3.500 cópias nos Estados Unidos em sua primeira semana de lançamento, estreando na 109º posição da Billboard 200.

1395661332

Fonte: Blabbermouth

Claustrofobia: produtor internacional trabalhando em novo disco

O Claustrofobia, um dos nomes mais importantes do metal nacional, acaba de encerrar todo processo de gravação de mais um disco de inéditas. O tão aguardado material foi gravado no Norcal Studios, em São Paulo.

Durante duas semanas, Marcus D´Angelo (vocal/guitarra), Alexandre de Orio (guitarra), Daniel Bonfogo (baixo) e Caio D´Angelo (bateria) ficaram trancafiados na companhia do renomado produtor inglês Russ Russel, famoso por já ter trabalhado ao lado de nomes como Napalm Death, Dimmu Borgir, Exploited, Lock Up, New Model Army, entre outros. Ele veio exclusivamente ao país para atender aos músicos e agora vai mixar e masterizar todas as músicas na Inglaterra. O sucessor do aclamado “PESTE” (2011), ainda não tem previsão de lançamento.

“São 10 anos de contato com o Russ e um desejo mútuo de se trabalhar em parceria e o momento chegou. Trazer essa produção internacional aconteceu na hora certa, para as músicas certas. Esse novo álbum vai refletir musicalmente toda emoção de uma guerra de 20 anos, todos os seus momentos de glória e de tensão. Tem muito sentimento nesses novos sons…Estamos fazendo tudo com calma pra alcançar a expressão e perfeição máxima. Isso é o que podemos adiantar até o momento”, declarou Marcus D’Angelo.

Confira as fotos da banda em estúdio disponivel em https://www.facebook.com/media/set/?set=a.661450140583097.1073741829.136443406417109.

Além disso, o Claustrofobia está negociando o relançamento do CD “PESTE”, o lançamento de um DVD especial mostrando seus 20 anos de carreira, novo website e novo merchandising.

Enquanto isso, a banda sente toda repercussão positiva do polêmico videoclipe para “Bastardos do Brasil”. Confira.

Produtores interessados em contratar o espetáculo do Claustrofobia devem entrar em contato através do e-mail bruno@viabilizaviagens.com.br.

Links relacionados:
https://www.facebook.com/claustrofobiaofficial
http://www.twitter.com/metalmaloka
https://www.facebook.com/UltimateMusicPR

1395446221

Fonte: The Ultimate Music – PR

ROSA DE SARON FAZ SHOW EM PROL DO CENTRO INFANTIL BOLDRINI

A banda Rosa de Saron, uma das mais importantes do cenário cristão nacional, traz para Cosmópolis a turnê do seu mais recente trabalho, o DVD “Latitude Longitude”, dia 22 de março, sábado, durante a primeira edição do “Mãos que Salvam”, projeto criado “para promover o bem e ajudar ao próximo”.

O evento – com abertura da Banda Sopro Vital e presença confirmada do ator global Kiko Pissolato, cosmopolense, acontece no Salão Social do Clube Cosmopolitano, localizado na Rua Baronesa Geraldo de Resende, 161-B – Bela Vista III.

A abertura dos portões será às 20h e o show está previsto para as 22h30.

Toda a renda será revertida para o Centro Infantil Boldrini, tradicional hospital de Campinas, que há mais de 30 anos atende crianças e adolescentes com câncer e doenças hematológicas.

Instalado numa área de 100 mil m², o complexo contempla o hospital, o prédio da radioterapia, medicina nuclear e imagem, o Centro de Reabilitação Lucy Montoro, o Instituto de Pediatria Ronald McDonald, a Central de Captação de Recursos e o serviço de apoio social à Casa da Criança e da Família, com 30 chalés, criado em parceria com o Instituto Ingo Hoffmann, totalizando 30 mil m² de área construída.

Os ingressos (antecipados R$25,00) podem ser adquiridos através do site www.clubedoingresso.com/projetomaosquesalvam.

Mais informações – inclusive sobre outros vários pontos de venda de ingressos – podem ser obtidas por meio dos telefones (19)9 8354-2401 (Fábio) e (11)9 9492.0043 (Heloísa).

Classificação etária: 14 anos (14 e 15 anos apenas acompanhado dos pais – 16 a 18 anos com apresentação de documento com foto).

O DVD Latitude Longitude

Depois de seis meses de intensa dedicação, o DVD “Latitude Longitude”, terceiro DVD ao vivo do grupo e 12º na carreira, saiu do papel e se tornou um projeto grandioso, gravado em abril/2013 no Chevrolet Hall, em Belo Horizonte – com lotação total da casa – e lançado em julho do mesmo ano, durante a Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro.

O baixista e fundador da Banda, Rogério Feltrin, explica que esse trabalho é uma continuidade do DVD Horizonte Vivo Distante, lançado em 2010. “Apesar de ser outro trabalho, o DVD Latitude Longitude tem muita similaridade com nosso DVD anterior. Pra gente, ele é uma extensão, uma continuação do Horizonte Vivo Distante, como se fosse um trabalho só dividido em dois”, conta.

Aliado a isso, Feltrin deixa clara a influência desse trabalho anterior no 3º DVD da Banda. “O DVD Latitude Longitude é uma junção de percepções positivas acerca desse nosso trabalho. Foi baseado na tour ‘O Agora e o Eterno’, que estava muito bonita e nos fez ter vontade de registrá-la em vídeo. ‘O Agora e o Eterno’ foi um álbum bem vendido, que gerou ótimos shows. Foi considerado por muitos fãs antigos o melhor álbum da banda ate hoje”, comenta.

O repertório do DVD “Latitude Longitude”  é composto por músicas que fizeram parte da turnê “O Agora e o Eterno”, além de quatro músicas inéditas: “Latitude Longitude” (que dá nome ao trabalho e conta com participação especial de Mauro Henrique, da banda Oficina G3), “Se”, “Ironia S/A” e “Aurora” (composta especialmente para ser hino da JMJ do Rio de Janeiro), esta última com participações de Jonny Voice e Renato Vianna, dividindo os vocais com Guilherme de Sá.

A escolha do nome “Latitude Longitude” não foi por acaso. Em todos os títulos de projetos da Banda Rosa de Saron há sempre uma reflexão que gera o nome, na intenção de que o oposto também ocorra: as pessoas façam uma reflexão sobre o que o título quer passar. “Latitude Longitude” tem, primeiramente, a simbologia: as retas que formam uma cruz, um sinal. O segundo ponto é que latitude e longitude são coordenadas que indicam uma direção, um lugar. “É aquela história de apontar um caminho, avaliarmos onde estamos e onde queremos chegar”, conta Feltrin.

Sobre: Formada por Guilherme de Sá (voz), Eduardo Faro (guitarra), Rogério Feltrin (baixo) e Grevão (bateria), a banda Rosa de Saron surgiu em 1988 na cidade de Campinas-SP, dentro do movimento de Renovação Carismática da Igreja Católica. Com 25 anos de estrada e 12 discos lançados, possui mais de 150 mil acessos/mês no site oficial, 1,2 milhões de fãs no Facebook, mais de 190 mil seguidores no Twitter e mais de 13 milhões de views em seu canal do Youtube. Também alcança o topo do ranking das bandas de rock nacional mais tocadas nos sites Sonora e Vagalume. Apesar de todo reconhecimento e crescimento durante os anos, o objetivo da banda continua o mesmo dos seus primeiros ensaios: “Fazer rock com qualidade levando uma mensagem cristã de esperança, fé e amor para todos.”

Informações à Imprensa: Kamilla Barboza – (12)9 8866.6486 | imprensa@rosadesaron.com.br

 unnamed (1)

unnamed

Informações à Imprensa: Kamilla Barboza – (12)9 8866.6486 | imprensa@rosadesaron.com.br

Rush planeja turnê de aniversário para 2015

rush-600-1395341218

O site da revista Rolling Stone trouxe uma nova matéria sobre os planos futuros do Rush, onde Alex Lifeson fala pela primeira vez sobre o provável retorno do power-trio canadense aos palcos em 2015.

“Seria uma boa oportunidade para trazer alguns materiais raros do Rush”, diz o guitarrista.

O Rush finalizou sua turnê mundial Clockwork Angels há apenas sete meses, mas já planeja cair na estrada novamente em 2015 para comemorar seu aniversário de 41 anos, de acordo com o guitarrista Alex Lifeson. “Tivemos apenas uma reunião”, declarou à Rolling Stone. “Dissemos, ‘Não vamos falar nada sobre a banda até o próximo ano. Vamos nos separar para voltarmos rejuvenescidos’. Infelizmente, as outras pessoas na reunião não deram ouvidos ao que estávamos dizendo, e já existem planos em andamento para a primavera de 2015 (no caso do Hemisfério Norte, a partir de março). Será uma turnê de aniversário de 41 anos (41st Anniversary Tour), ou seja lá como eles irão chamar”.

Os detalhes da nova tour ainda estão em andamento. “Ainda não conversamos seriamente sobre o que faremos”, diz Lifeson. “Mas acho que é provável que nos inclinaremos para torná-la uma espécie de evento real para fãs, tentando de verdade unir algo que os agrade em todos os sentidos. Definir o equilíbrio das coisas em shows sempre foi difícil para nós”.

A última turnê do Rush foi centrada no álbum mais recente, Clockwork Angels, bem como em um grande número de canções provenientes da década de 1980. Exceto 2112, eles não tocaram uma única música sequer da década de 1970. “Queremos tentar trazer um material diferente desta vez”, diz Lifeson. “Eu sempre quis trazer canções mais raras do Rush, e acho que essa deverá ser uma boa oportunidade para fazer isso. Também acho que será uma longa turnê. Só precisamos continuar saudáveis”.

2014 marca o 40º aniversário da banda com o baterista Neil Peart, mas os integrantes estavam exaustos para comemorar com outra turnê. “Tivemos dez ótimos anos de turnês e álbuns”, disse Geddy Lee à Rolling Stone em setembro (confira a entrevista completa traduzida aqui). “Sinceramente, posso dizer que nós três nos divertimos muito nessa última, mais do que em qualquer outra. Fechamos com chave de ouro, mas reconhecemos que precisamos estar mais próximos das nossas famílias e recarregar as baterias”.

Agradecimentos a Harry Thomas Jr.

Fonte:http://rushfaclubebr.blogspot.com.br/2014/03/rush-planeja-turne-de-aniversario-para.html